Bandol

Uma das cidades mais lindas que visitei na Provence se chama Bandol e fica a mais ou menos 45min de carro de Marseille e tem pouco mais de oito mil habitantes, número que aumenta no verão – mas, pelo que vi e senti da cidade, não quadruplica como em Cassis.

É uma cidade de praia e, na minha opinião, uma espécie de miniatura de Saint-Tropez. Que fique claro: a comparação tem a ver com a paisagem e com a atmosfera do lugar. Bandol, sem as lojas caríssimas e sem os ricos e famosos, aliás, combinou muito mais comigo. Fiquei realmente encantada com a cidade, com as ruazinhas por que precisei passar para chegar à praia, com os vinhos, com a comida, com as pessoas.

20130630-222757.jpg

20130630-222808.jpg

20130630-222840.jpg

Deixamos o carro numa parte mais alta da cidade e descemos até chegar uma passagem que nos permite entrar no centro da cidade pela frente da igreja.

20130630-223022.jpg

20130630-223117.jpg

20130630-223127.jpg

20130630-223218.jpg

E então o grande encantamento começa, com a fonte, a praça, as barracas de comida e, como em toda praia na costa da Provence, o porto.

20130630-234244.jpg

20130630-223421.jpg

20130630-223447.jpg

20130630-223458.jpg

20130630-223508.jpg

20130630-223554.jpg

20130630-223604.jpg

20130630-223626.jpg

20130630-223654.jpg

20130630-223708.jpg

20130630-223757.jpg

20130630-223810.jpg

20130630-233231.jpg

Depois de ter passado o dia anterior visitando vinícolas em Avignon, só pensava nisso; então a primeira parada foi na grande vitrine de vinhos da cidade, que fica em frente ao cassino. Não tem como errar: saindo da igreja, que fica bem no meio da cidade, é só caminhar pelo lado esquerdo da orla por aproximadamente uns 400m.

20130630-224215.jpg

20130630-224335.jpg

20130630-224345.jpg

20130630-224400.jpg

20130630-224956.jpg

Estava com Yasuko e resolvemos experimentar todos os vinhos disponíveis para degustação. Fiquei apaixonada pelo rosé do Domaine Lou Castellan. O tinto do Chateau Salettes foi o que mais agradou meu paladar entre os tintos que experimentei até agora.

20130630-224645.jpg

20130630-224658.jpg

20130630-224719.jpg

Comprei ambos. Renaud, o vendedor super simpático, me deu uma garrafa do rosé, o meu preferido até agora, porque morou na Guiana, conheceu o norte e o nordeste do Brasil e achou o máximo eu morar perto de Fortaleza, uma cidade que ele conheceu e amou.

20130630-225224.jpg

Renaud também indicou o bistrô onde fiz a refeição mais saborosa de toda a viagem: KV&B.

20130630-225645.jpg

20130630-225702.jpg

20130630-225721.jpg

20130630-225739.jpg

20130630-231238.jpg

20130630-231251.jpg

Escolhi a fórmula “entrada + prato principal” e pedi uma taça de vinho da região; enquanto Yasuko, que estava com menos fome, preferiu a “prato principal + bebida”. Como entrada, pedi a especialidade da casa: kadaïf de gambas com tartare sauce.

20130630-230148.jpg

20130630-230200.jpg
Esse camarão empanado com massa japonesa estava dos deuses! E o molho tártaro não estava forte. Com as folhas de alface, que estavam super crocantes, a combinação estava divina! Perfeição em forma de comida, seu nome é kadaïf e você vive em Bandol.

Como prato principal, pedi noix de st. jacques à la plancha, riz noir et jus reduit.

20130630-230550.jpg
Queria tanto aprender a fazer vieiras assim, absolutamente douradas por fora, macias por dentro e nada borrachudas. O molho era um pesto mais suave, que casou perfeitamente com o arroz negro.

Já disse que foi a melhor refeição da viagem até agora? Pois repito: foi a melhor refeição da viagem até agora!

Yasuko pediu daube provençale servi en cocotte et polenta croustillante. Tanto a carne quanto a polenta estavam deliciosas.

20130630-231156.jpg

20130630-231136.jpg
Daube é um prato típico provençal e nada mais é que um cozido de pedaços carnes menos nobres e vegetais, marinados no vinho tinto. O nome vem de daubière, uma caçarola com tampa vedada, usada para impedir a evaporação do molho e deixar a carne suculenta. No KV&B, o prato pode ser comido por duas pessoas que peçam entrada: Yasuko comeu, eu comi (foi minha sobremesa) e ainda sobrou.

O responsável por tudo isso é o chef Julien Marroni, um gordinho muito simpático, descendente de italiano, meio tímido e apaixonado por Londres.

20130630-232941.jpg

O KV&B fica do lado da igreja e, caso volte a Bandol, quero comer lá de novo. Amei amei amei!

20130630-233132.jpg

Preciso confessar: minha sobremesa de verdade foi um sorvete de lavanda! Muito bom! Menos doce que outros que já experimentei e com gosto de lavanda de verdade. A cor é meio pálida e não combina com o sabor, que é fantástico!

20130630-234117.jpg

Bandol, na minha opinião, merece uma outra visita, de preferência num dia em que eu possa ficar mais tempo. Saí de lá por volta das 17h e fiquei com a sensação de que ainda teria muita coisa a descobrir. Teve que ficar para depois.

Anúncios
Esse post foi publicado em Beleza, Comida, Cultura, Turismo. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Bandol

  1. Fato: vou a Bandol, vou almoçar no KV&B e vou nessa loja de vinhos.

  2. eliza disse:

    amanda estou adorando seus relatos
    poxa a sensação que tenho que viajo juntamente com vc, apreciando as fotos, paisagens, culinária…
    fantastique!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s