Da ingratidão

Passei essa semana inteira reclamando. Reclamei que dormi pouco, reclamei que trabalhei muito, reclamei do que li, reclamei do que deixei de ler. Passei os dias fazendo algo que detesto!

Pode não parecer, mas não aguento reclamação. Gente que só sabe fazer isso me enerva profundamente. Mas me transformei nessa gente. Essa constatação caiu na minha cabeça e me deixou zonza.

Hoje, exatamente agora, existe uma única preocupação na minha vida. Preciso fazer uma escolha (relacionada ao sonho que vou realizar e sobre o qual eu vou contar tudo depois). E só.

Perceber que transformei minha semana num negócio chato, por pura fraqueza me deixou tão mal, tão mal, que não consigo parar de chorar.

Costumo dizer que eu reclamar da minha vida é ingratidão e fui extremamente ingrata com minha vida e com as escolhas que a deixaram como ela está hoje.

Eu não posso reclamar, gente! Não posso e não devo. Espero que Deus me perdoe.

Anúncios
Esse post foi publicado em Aprendizado. Bookmark o link permanente.

3 respostas para Da ingratidão

  1. Raquel Pereira disse:

    Nós mulheres ficamos um período assim, reclamonas, mensalmente. Liga não. Respira fundo e conta até onde quiser.

  2. Raúl Javales disse:

    VIva a vida, com um sorriso estampado e vá a luta, és muito mais forte do que podes imaginar! Vá a luta! Sucesso!

  3. Leandro disse:

    Tenho um mundo a comentar aqui.

    Primeiro, sobre reclamação: eu aceito do mundo o que dou a ele. E não compartilho meus problemas com as pessoas, a não ser que esteja na situação de pedir ajuda a elas. E assim espero em retorno. Quando alguém vem a mim com um problema, somente aceito ouvir Qd é uma pessoa a pedir ajuda. Então ouço e vejo o que posso fazer. A partir do momento em que percebo que a reclamação é somente um desabafo, e que meu ouvido está sendo feito de latrina, eu corto a conversa. E me reservo o direito de nem mesmo ser muito educado nisso. Mas o primeiro momento antes da esculhambação é determinar se a pessoa está me pedindo por alguma participação, seja ação ou conselho, ou se está somente querendo que eu tenha algum tipo de solidariedade cristã pouco produtiva.

    O segundo ponto é que reclamar PARA SI é extremamente válido, dentro do mesmo conceito acima: a reclamação como ferramenta para um re-planejamento, aquela insatisfação que gera atrito e movimentação internos, e que te faz repensar a sua vida e fazer algo dela, é extremamente construtiva. Qd vc reclama para si em uma situação de chamar a si mesmo à ordem. Da mesma maneira, temos que perceber qd a nossa reclamação interna é somente uma mentalização derrotista e vazia de sentido prático. Nesse ponto, é piegas, deprimente, e pobre de espírito.

    Mas se construir nesse sentido é um trabalho constante, de bons hábitos e de vigilância permanente. E tudo bem se vc escorregar de vez em quando. O importante é se perceber e se corrigir em tempo de evitar cair no turbilhão depressivo em que isso poderia te colocar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s