Por compaixão

Hoje tinha planejado escrever sobre um produto que comprei de uma empresa e o tratamento que me foi dado, mas não vai rolar. A gente planeja as coisas e de repente tem que se adequar às mudanças inesperadas que acontecem.

Depois de ter recebido uma notícia que me deixou muito triste, não tenho como falar de consumo. Na verdade, nem sei direito o que estou sentindo agora, mas sei que é muito parecido com o que senti quando minha avó Marieta morreu.

Minha avó tinha insuficiência renal crônica e no pior momento da doença eu estava morando com ela e a vi indo embora um pouquinho a cada dia. Na época eu bordava, bordava e bordava. E rezava pedindo que Deus tivesse pena de tanto sofrimento e a levasse embora. Até que aconteceu e eu fiquei aliviada.

Agora, minha tia Branca, irmã da minha avó, está na mesma situação. Ela está com câncer, em fase terminal, e se internou ontem à noite. Final de semana passada, estive com ela e vi minha tia tão diferente, tão magrinha, tão frágil. Foi uma despedida, minha e de Biloca, na verdade, porque a gente ficou sabendo na semana passada que o negócio estava bem sério.

Eu sabia que ela estava doente, mas não tinha ideia da gravidade. Tia Graça tinha me falado, mas ouvir não é o mesmo que ver, e posso dizer que me assustei um pouco com o que vi. Como minha família é exagerada quando conta histórias, na minha cabeça podia ser isso, sabe? Só mais um exagero. Mas não era. Não é.

No domingo, antes de tia Branca adormecer, ela disse que me queria muito bem quando eu era pequena e Mainha perguntou de agora, que eu era grande, e ela disse que sim, que me quer bem. E quer mesmo: eu sempre fui uma das sobrinhas favoritas.

Agora, na minha reza, meu pedido a Deus é um só.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Por compaixão

  1. theophile gautier disse:

    Tem épocas em que o bicho pega. Sei bem o que é isso e estou vivendo esse momento. Acho que a gente passa uma vida aprendendo coisas na teoria e depois começamos a colocar o que aprendemos durante anos em prática. Aprendemos a aceitar coisas e até saber mesmo que elas irão acontecer. Nada disso serve muito para aplacar o nosso sofrimento e o pior deles é que somos frágeis mesmo. Eu, você e todos que conhecemos e ainda os outros.
    O melhor que vc pode fazer para valer a pena tudo isso e sempre buscar a felicidade com alegria, humor e entrega aqueles que gostam de vc, isso ilumina um pouco a vida de quem está a sua volta. O resto é ir tocando e aprendendo, exercitando o que se pensa ter aprendido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s