Verde que te quero verde

Tituluzinho sem noção mesmo, fazendo Garcia Lorca se revirar mil vezes no túmulo, mas não tive outra escolha. Hoje resolvi falar de verde, da cor, para que fique claro, e não da rama. Gosto de verde, mas verde com cara de verde e não aquele tom que pode ser azul dependendo de quem olha, sabe como? Verde com cara de esperança mesmo, sendo ainda mais caricata, se for possível.

Não é a minha cor preferida, mas é uma das, com certeza, estando muito próxima do lavanda na minha escala. E a moda agora contemplou um dos tons que mais amo, o menta. Se Renato vier me dizer que menta não é cor, vou mandar ele ir se entender com o povo que inventa esses nomes para essas cores. Tá lendo, né, Renato?

Minha mente masculina sempre me disse que menta era verde claro, com um quê de azul no fundo. Lendo o que acabei de escrever acabo achando que chamar menta só de menta é mais fácil, porque existe na palavra uma refrescância meio oculta que me deixa feliz (gosto de palavras que terminam com ância, tipo crocância, mesmo que elas não existam, tá? E o Volp não reconhece “refrescância”, só para você saber).

20120921-220056.jpg
Aí, depois de pensar essa ruma de abobrinha, dou de cara com essa foto aí de cima no site da revistatpm.uol.com.br, vejo que não existe só um tipo de menta e percebo como tudo é mesmo e apenas uma questão de opinião, inclusive cor. Sim, porque certamente vai aparecer alguém dizendo que uma das camisas da foto puxa mais para azul. Até eu, torcedora do menta que sou, seria capaz de afirmar que tem coisa azulada aí. O que posso fazer?

Se pudesse, se e somente se, como nas questões da escola, escolher, ia preferir simplesmente não escolher, compreende? Deixar cada cor sendo o que é e pronto, sem ter que necessariamente nominar uma por uma. Mas não posso, até porque gosto de rótulos, como já afirmei por aqui.

Então, como a minha mente é simplista, fico apenas na torcida de encontrar uma camisa menta de botão que não tenha um preço aviltante, porque pagar umas trezentas dilmas numa camisa menta com tachas (nada é mais moda hoje do que tacha, não é não?) é demais até para a ultra consumista que está guardada a mil chaves dentro de mim.

Agora, só queria mesmo acabar com minha dúvida eterna: cor é masculino ou feminino (o menta? a menta? o lavanda? a lavanda?)? Para mim a cor é branca, mas o casaco é branco. Morfologicamente, este branco eu sei que é adjetivo, mas aquela branca, não me lembro mais. Carolina, fia, help!

Anúncios
Esse post foi publicado em Abobrinha. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s