Das minhas limitações

Olhe, eu não sei, não. Acho que nunca vai ser possível viver num lugar em que as pessoas se tratem com respeito, pensando no coletivo, na civilidade no trato com o outro.

Hoje fui fazer minha sobrancelha e parei meu carro no estacionamento do salão. Quando voltei, tinha um carro me trancando. Como tinha gente dentro, fui lá e pedi para a pessoa afastar, ao que tive como resposta que nenhum dos ocupantes podia fazer isso. Aí, a retardada aqui perguntou se ninguém sabia dirigir, tendo por resposta que “não, senão a gente tirava o carro, né?”. Amei ouvir isso, do fundo do meu coração.

Entrei no carro e fiquei esperando a boa vontade da doidinha dos pão, que me trancou para buscar o filho. Quando ela chegou, saí do carro e lhe disse que não fizesse mais isso, porque, para facilitar sua vida, ela tinha atrapalhado a de outra pessoa. Sabe qual foi a resposta? Uma risada! A criatura achou engraçado eu ter reclamado da sua falta de senso! Eu mereço, né?

Hoje essa filha de Deus me pegou num dia bom e num momento bom, em que estou feliz da vida por trabalhar finalmente na área que faz meu coração bater (não me canso de repetir isso). Mas se ela tivesse feito essa arrumação num dia em que eu estivesse a encarnação do capeta, sei não, viu?

É em situações como essa que fico pensando que eu devia saber meditar. Juro que acredito nos benefícios da prática, mas parece que esse negócio não é para mim. Quando praticava ioga, sempre cochilava na parte da meditação. Até cheguei a fazer aula específica, mas também não deu certo.

No início, porque é difícil o tal esvaziamento da mente, mandam que a pessoa se concentre em uma única coisa. Lembro demais o dia em que mandaram pensar numa flor. Foi um aperreio gigante, porque eu pensei em rosa, cravo, margarida, girassol, lírio e não consegui escolher uma só. Aliás, até escolhi a rosa, mas pensei nela branca, vermelha, amarela…

Sou mesmo uma pessoa limitada, meditar não é para mim e se eu for depender disso para ser uma pessoa melhor, estou lascada. Ainda bem que aprendi a rezar cedo e consigo fazer isso direitinho até hoje. Na minha próxima conversa com o Divino vou pedir paciência com essas almas sebosas que vagam por aí. Acho que já é um começo.

Anúncios
Esse post foi publicado em Comportamento. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Das minhas limitações

  1. theophile gautier disse:

    Para vc ver como os céus protegem os incautos. Parabéns pela prática da paciência.

  2. Renata Barros disse:

    Já passei por isso!!! Absurdo. E o pior é ver q a pessoa n tá nem aí.

  3. Kokinho. disse:

    Não peça paciência ao Divino, pois para se ter paciência é necessário provação. Aí, pegue provação . . .

  4. Leandro disse:

    eu riscaria o carro dela.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s