Para você que mora no meu coração

Não vou mentir e dizer que tenho pensado no nosso tempo. Na verdade, apesar de falar em você com mais frequencia do que possa imaginar, não penso muito em você. Dá para entender? Sei que isso não parece ter muito sentido, mas é bem assim que acontece.
Infelizmente só me lembro das nossas coisas quando você se transforma em assunto, o que não acontece muito, já que poucas pessoas sabem da sua importância na minha vida. Porque nosso tempo foi curto -curtíssimo, na verdade-, não me parece fazer sentido falar em você com qualquer pessoa.
Hoje, por uma razão óbvia, é dia de eu lhe dizer da importância de tudo o que vivemos, do quanto sinto falta da sua presença e do quanto fui feliz nos momentos tão maravilhosos de que desfrutei enquanto você fazia parte da minha vida. Acho que o fato de ontem eu ter me enrolado igual a uma pamonha antes de dormir (fez um pseudo frio por aqui) colaborou com a lembrança.
Sabe, as coisas mudam, algumas pessoas mudam, e a vida segue. O problema é que a gente se esquece disso e acaba se perdendo no meio de tanta coisa e de tanta gente, acreditando que algumas coisas vão permanecer, não importa o quão falsa essa crença seja.
Mas uma coisa não mudou: a vontade que ainda hoje tenho de poder compartilhar com você as impressões que tenho sobre as coisas, minhas angústias, meus medos, minhas alegrias.
Hoje, por exemplo, diria que estou muito p da vida, porque minha calça jeans, na qual voltei a entrar lindamente na semana passada, quase não sobe por causa do raio da menstruação que avisou que ia descer, mas resolveu atrasar e me deixar inchada e irada. Sabe meus flancos obesos? Ficaram pulando da bicha! Um horror! Sei que você riria da minha neurose e diria que era tudo coisa da minha cabeça e eu fingiria acreditar.
Agora, nesse minuto, bateu uma tristeza branda, sabe como? Não vou chorar nem nada, mas é que só agora me dei conta de que você não vai ler nada que eu escrever e isso não é legal. Sei que meu sentimento não lhe é novidade, porque você me conhece bem demais para me saber inteira, mas gostaria de hoje poder olhar no seu olho e dizer que senti uma falta enorme de tudo que lhe diz respeito.
Antes de me despedir, devo confessar que tudo o que digo tem uma base enormemente egoísta: gostaria de ter você perto para que eu pudesse ser mais feliz do que sou. Porque, enquanto pude dividir minhas experiências com você, fui a mais feliz das criaturas. Hoje, depois de tanto tempo sem você -sim, porque você não está na minha vida há o que me parece uma eternidade-, ainda sinto sua presença, sabia? Mas isso, ao contrário do que pode parecer, não me consola.
Dedé, onde você estiver, saiba que por aqui há pelo menos duas pessoas que a carregam no coração.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Para você que mora no meu coração

  1. theóphile gautier disse:

    A manda, gosto muito do seu texto. Este esta especial e sintetiza bem a beleza mais cativante em você. Admiro demais você. Acho que se eu fosse mulher, queria encarar a vida como você encara e gostaria de ser leve, determinada e inteligente como você é. Existem pessoas que eu observo sempre, porque são meus padrões, porque de dentro da gente as vezes se perde a noção da posição diante do certo, não do socialmente certo, do certo mesmo, aquilo que é bonito e vale a pena. Eu desenvolvi, para mim, um jeito silencioso de observar certas pessoas para identificar o que eu deveria estar fazendo e como viver melhor. Você é uma dessas pessoas, hoje uma das principais. Não consigo fazer muito do que você me mostrou esses anos todos, mas desejo ser como você, como um menino quer um dia ser astro de rock, acho que não conseguirei, mas continuo cortejando a idéia.
    Não sei se devo dizer, mas quis muito ser o alvo do texto acima, sei que não sou e sei que isso é de uma pretensão que colocaria o resto da potencial pretensão do universo em extinção, mas é como aquela propaganda da ipiranga em que as pessoas, e um carro, ficam babando pelo seu sonho de consumo e destaque-se que falo do alvo do texto, não de você, não quero ser inconveniente, nem inadequado.
    Peço finalmente que você pegue leve com esse meu comentário. Se for me esculhambar aqui ou ali, saiba que respeito demais você. E sei que geralmente você está (antipaticamente) certa, o que impede que a gente simplesmente admita e pronto, como o caso da grama. Bjo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s