Um dia (One day)

Aproveitando que eu estava com esse pique todo para ler, quando fui a São Paulo para o show de David Guetta num voo que duraria oito horas (mas acabou durando nove e meia), resolvi levar Um Dia, de David Nichols, para me servir de companhia. Como o voo da volta também seria bem ingrato, a expectativa era terminar o livro até voltar para Natal.
Não consegui isso. O livro é ótimo, cara! Não dá pra desgrudar até que ele termine. Impossível não querer saber o que vai acontecer com Em e Dex, Dex e Em. E, veja bem, o final é bem diferente do que a pessoa imagina. Eu já sabia o final porque sem querer (juro que foi sem querer) li um spoiler num blog. Mas sabe quando você vai lendo e não acredita que aquilo vai acontecer? Foi isso que aconteceu comigo. Acho que quando estava no Galeão esperando a conexão para São Paulo, por uns cinco segundos eu desejei ter lido errado o spoiler. Coisa de gente doida, né? Esperar que o final de um livro mude só porque eu quero. Talvez num universo paralelo esse poder exista…
Enfim, o negócio é que eu voltei de São Paulo sem ter o que ler, porque comecei e terminei Um Dia só na ida.
Fiquei tão enlouquecida pelo livro que já comprei mais dois de Nichols, em inglês mesmo, até para matar um pouco a saudade das expressões britânicas sem correspondentes em português que, espero do fundo do meu coração, estarão lá.

Anúncios
Esse post foi publicado em Literatura. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Um dia (One day)

  1. Ana Carolina Luna disse:

    Amanda, flor, estou lendo esse livro também…
    Ao contrário de você, no começo achei um saco, principalmente na época em que DEx estava altamente imbecil….
    Despois comecei a achar melhor e ficar mais empolgada de forma que desde de sexta, venho lendo o livro empenhada em terminá-lo. Hoje termino, se Deus quiser! 🙂
    Muito bom mesmo!
    Saudade demais de vc amiga!!! E de conversar conversas de futuro com alguém… kkkkkkkkkk
    Dica:
    Nas estações de Metrô de SP tem umas maquinhas com vários livros dentro, tipo aquelas de refrigerante, a maioria clássicos da literatura brasileira, e uma plaquinha que diz assim: “Pague quanto você acha que vale” , você já viu? Interessante isso não é? Bem, tem umas que tem um livrinho pequeno com Titulo: “Quando o Amor transpõe o oceano”. Pois é, você, diante da minha história, pode ficar imaginando coisas, mas a história não tem muito a ver com Amor transpor oceano não, mas não deixa de ser uma história bonita e encorajadora. Vale a pena ler! Bjos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s